Chi Kung em Casa – 2021

Práticas do Profundo Reparar

Início a 11 de Janeiro – via Zoom

com Margarida Bettencourt

Reparar – consertar – compor – refazer – Reparar – notar – observar – olhar – verificar – Reparar – dar importância – cuidar – ligar – Reparar – compensar – recuperar-se – ressarcir – Reparar – recuperar – restabelecer – recobrar – Reparar – dar satisfação – retratar-se – Reparar – corrigir – emendar – remediar – Reparar – melhorar – apurar – polir – retocar – Reparar – acautelar – prevenir – resguardar – Reparar – proteger-se – cobrir-se – abrigar-se 

Uma hora depois de nascer o bebé humano começa a imitar os gestos dos adultos que o rodeiam, e demonstra claramente regozijo com as respostas que obtém; reconhecemos assim uma relação íntima entre as acções do corpo dos outros e os nossos estados internos. A neurociência contemporânea diz-nos que o movimento do corpo é um dos processos mais importantes na aprendizagem sobre nós próprios e na descoberta do mundo que nos rodeia. Os movimentos do corpo criam as nossas ideias e sentimentos – gestos não são apenas reflexos do pensamento, ajudam a formar o pensamento. 

Este programa propõe a devoção ao corpo – no movimento de profundo reparar.

Modalidades

Com o intuito de ter uma oferta mais flexível e versátil de possibilidades de prática permitidas por este formato online,  serão disponibilizadas as seguintes modalidades, todas via Zoom:

  • Aulas regulares nos dias e horários que já estavam estabelecidos – detalhes do programa abaixo

2ª feira – 9.00 às 10.15 – 18 Movimentos de Tai Chi – Shibashi

3ª feira – 19.00 às 20.15 – Treino da Quietude – Zhan Zhuang

5ª feira – 19.00 às 20.15 – Passos em Chi Kung – a Dança da Saúde

Valor – 5€ por aula / 40€ livre trânsito mensal

  • Acesso às gravações das aulas regulares – as aulas regulares serão gravadas e disponibilizadas a quem pretende frequentar o programa – não podendo estar presente por incompatibilidade de horários.

Valor – 5€ por aula / 40€ livre trânsito mensal

  • Sessões de Aprofundamento e Investigação – duas horas de prática, um sábado por mês, com tema a anunciar.

Próxima data 16 de Janeiro – 10.00 às 12.00

Valor – 20€ por sessão de duas horas

  • Sessões Individuais de Tutoria – sessões de prática com duração de 50 min., acompanhamento individualizado, marcação em horário a combinar.

Valor 15€ por sessão

Inscrições abertas!

ck.margaridabettencourt@gmail.com

Programa – Aulas Regulares

18 Movimentos – Shibashi – 2ª feira – 9.00 às 10.15

Shibashi, também conhecido por Tai Chi Chi Kung em 18 movimentos é um sistema de exercícios com movimentos fluídos e contínuos. É um sistema bastante recente, criado em 1982 , e que se tornou uma disciplina obrigatória dos cursos de Medicina Tradicional Chinesa. Atribui-se a estes movimentos efeitos tonificantes e relaxantes consideráveis, que potenciam o fluir harmonioso da energia dos meridianos. Os exercícios introduzem elementos básicos de transições de peso, coordenação de braços e pernas, e integração da respiração com o movimento. Os movimentos são suaves e fluídos, com estiramentos moderados combinados com respiração coordenada, encorajando a libertação de tensões profundas nos tecidos dos sistemas musculares e neuro-vasculares.

Treino da Quietude – 3ª feira – 18.45 às 20.00

Com muito pouco movimento exterior, Zhan Zhuang é das formas mais potentes da disciplina de Chi Kung. Trata-se de um sistema singular que trabalha o funcionamento do corpo humano através de uma série de posturas cuidadosamente escolhidas ao longo de uma tradição milenar.

A prática sugere o desenvolvimento de grande força interna, como a que se desenvolve numa árvore magnífica. Estes exercícios podem ser praticados por qualquer um, sendo irrelevante a idade ou estado de saúde. Os movimentos e posturas são simples e a forma como afectam cada um depende das necessidades e capacidades individuais.

Interiormente alerta, aberto, calmo.

Exteriormente vertical, expansivo, de espírito pleno.

Este é a fundamento da quietude.

Juntar o duro e o suave, o poderoso e o folgado,

Movimento e quietude, contração e expansão:

No momento de convergência, existe poder.

Wang Xiang Zhai

Passos em Chi Kung e Dança da Saúde – 5ª feira – 18.45 às 20.00

Quando caminhamos movemo-nos de um lugar para outro usando as pernas. É um processo de mudança – e os processos de mudança podem ser dramáticos e desafiantes – expõem-nos à vulnerabilidade e à inquietação. Todas as grandes tradições de pensamento e reflexão investigam os processos de mudança e como lidamos com eles. Numa prática profunda de corpo, a disciplina do treino dos passos integra conceitos contraditórios – a quietude e o movimento – criando um treino na demanda de um equilíbrio flexível e dinâmico. A Dança da Saúde integra e explora estas noções dando espaço a uma forma mais espontânea e livre de habitar o corpo e a prática.

Chi Kung e Movimento Integral – 2020 / 2021

Temporada 2020/21

Programa Chi Kung em Casa – 3 aulas semanais

Nutrir Terra, Apurar Metal

Persistir e perseverar no aprofundar da consciência das Cinco Transformações na prática de um movimento integral e inteligente. Neste final de verão incomum, notar o desejo de abrandar e centrar, convergir e focar – a Terra a gerar Metal.

Início do 1º trimestre – 1 de Setembro ( 3ª feira )

2ª feira 09.00 – 10-15 – Treino do Xin Yi Nei Gong 

3ª feira 19.00 – 20.15 – Treino de Quietude

5ª feira 19.00 – 20.15 – Treino das Oito Peças de Brocado

Evento especial em The Place to Pause

Dia de Prática com almoço – 12 de Setembro

10.00 às 13.00 – Programa a anunciar

13.00 às 14.30 – Almoço especial de Outono

Inscrições abertas – theplacetopause@gmail.com

O Tempo que passa

Há um exercício, que fazemos em aulas de improvisação em dança, cuja proposta é dançar livremente com movimentos rápidos, e parar quando acharmos que passou um minuto. Depois repetir o exercício, desta vez dançando com movimentos lentos, parando ao fim do que consideramos ser um minuto. Claro que estes minutos revelam ter durações muito diferentes. O tempo é relativo, como Einstein descobriu e nos demonstrou. É mesmo muito relativo. E a experiência do tempo no corpo é uma experiência física, emocional, intelectual e espiritual.

No mundo em que vivemos, a nossa experiência do tempo tem sido predominantemente acelerada, condensada e fragmentada. Contudo, esta aceleração e velocidade tem estado a ser questionada de uma forma iminentemente existencial e de sobrevivência, nossa e de tudo que nos rodeia. O verbo abrandar começa a ser aplicado nas várias dimensões da nossa realidade, de uma forma vital ligando a economia à ecologia. De referir, que estas duas palavras têm origem no grego oikos, que significa casa.

O corpo como casa ou residência das nossas dimensões mais subtis e espirituais é expressão comum na maioria das grandes tradições filosóficas e religiosas. Todas as práticas ancestrais desenvolvem treinos espirituais e físicos que incorporam a experiência essencial do tempo. As grandes transformações ou revoluções civilizacionais revelam-se também em mudanças nos nossos corpos. No sentido de potenciar uma transformação estrutural autentica, expressiva e vigorosa, uma prática de corpo consciente e profunda é um instrumento valioso e crucial. No entanto, as transformações para serem efetivas têm que ser sustentadas e alicerçadas. Precisamos de enraizar para transformar.

Zhan Zhuang Chi Kung ou Estar de Pé como uma Árvore é uma prática ancestral da China desenvolvida, eventualmente, por monges como uma forma de ancorar nos corpos o apuramento da mente e do espírito. Mais tarde, os guerreiros também passaram a treinar estar de pé em quietude, descobrindo que desta forma podiam cultivar força e velocidade poderosas. A qualidade de uma mente clara e focada sempre foi essencial tanto para monges como para guerreiros, e a prática de Estar de Pé como uma Árvore era uma ferramenta poderosa que propiciava esta excelência. Como uma árvore a crescer, o desenvolvimento de uma percepção de tempo, que alinha em serenidade e equilíbrio, faz parte da prática.

Nos clássicos de arte marciais afirma-se – a raiz está nos pés, estendendo-se pelas pernas, controlada pela cintura e com expressão nas mãos. É esta raiz que é imprescindível cuidar e fortalecer para que Estar de Pé como uma Árvore possa ser revelada como prática extraordinária que é.

A vida contemporânea e sedentária tem demasiadas atividades sentadas, que enfraquecem o corpo, nomeadamente as pernas. A maior parte dos desportos que se praticam enfatizam a utilização de camadas externas de músculos. Um dos benefícios da prática de Zhan Zhuang Chi Kung ou Estar de Pé como uma Árvore, consiste no trabalho ao nível da perna inferior, impulsionando o sangue venoso da Grande Circulação em direcção ao coração.

É por isso que se chama à perna inferior o ” segundo coração”, e neste treino dedica-se muito esforço e dedicação ao seu fortalecimento. O conceito é simples: o coração bombeia o sangue do centro para a periferia do corpo, cabeça, braços e pernas. Depois do sangue ter nutrido a cabeça e os braços, o regresso ao coração é auxiliado em grande parte pela gravidade. Mas o sangue que regressa dos pés e das pernas tem um trajeto mais desafiante, e o bater do coração não é suficiente para o trazer de volta através da veias, que não são tecidos musculares. É nesta circulação venal que os músculos inferiores das pernas têm uma função crucial. Quando nos movemos, os músculos espremem as veias impulsionando o sangue no seu percurso ascendente em direcção ao coração – este movimento de fluídos em direcção ascendente, contrariando a gravidade, corresponde ao poderoso movimento da água e nutrientes que são sugados pelas raízes, dentro da terra, para chegar ao tronco, ramos e folhas de toda a árvore.

Este trabalho de raíz começa com os pés. É nos pés que se determina e estabelece a qualidade de ligação à terra e a capacidade de energia impulsionadora do movimento. Na planta dos pés localiza-se um ponto de acupuntura fulcral, o início do meridiano do Rim chamado “Fonte Borbulhante”. O arco do pé eleva-se da terra a partir deste ponto, e é muito importante explorar esta área , e compreender a sua função vital no Estar de Pé como uma Árvore.

É na consciência e percepção da relação que se estabelece com a terra e a gravidade, ativando a “Fonte Borbulhante”que o treino de pé, em quietude, se torna profundamente transformativo, podendo-se  incluir na prática dimensões mais subtis, emocionais e espirituais. As grandes tradições cultivam formas de estar e de nos relacionarmos, connosco e com o que nos rodeia, abrindo o coração e expandindo o espírito, para evoluirmos e mudarmos. Saber esperar , ou cultivar a paciência, pode aparentar ser uma atitude desatualizada ou obsoleta – é uma característica emocional de experiência temporal – e é uma das sete virtudes essenciais. É uma emoção positiva que apazigua a raiva e a irritação perante as contrariedades ou afrontas, dando alento e ânimo para as ultrapassarmos. A paciência pode cultivar-se Estando de Pé como uma Árvore. Em filosofia utiliza-se o termo performatividade ( em inglês – performativity ): a forma como falamos afecta comportamentos, que por sua vez  dão origem a teorias e  modos de pensar. Cumprem-se assim as profecias, numa auto-realização através do corpo, do pensamento e do espírito.

Uma proposta de treino para o tempo que passa: