Abrandar

cadeira

Há alguns anos orientei uma aluna de dança num exercício de composição que ía ser apresentado como prova final da disciplina no último ano de formação na Escola de Dança do Conservatório Nacional. A tensão e o nervosismo era o habitual num contexto de trabalho  em que o corpo é sujeito a uma rotina exigente e rigorosa, e em que o stress acaba por ser parte integrante do processo de trabalho.

Ela lesionou-se gravemente num pé poucas semanas antes da apresentação do exercício. Não estar presente na apresentação final era inaceitável para ela. Sugeri então que fizesse o seu trabalho numa cadeira, integrando de forma autêntica a informação que esta situação lhe oferecia. O seu trabalho transfigurou-se e surgiu uma capacidade de escuta, de seguir impulsos subtis do corpo, uma profundidade e sensibilidade que anteriormente não estavam presentes.  Este abrandar forçado permitiu-lhe encontrar o movimento.

Chegaram as urtigas!

urtiga

As urtigas são uma “praga” maravilhosamente nutritiva e uma das plantas mais versáteis e fáceis de consumir…tendo o devido cuidado para as colher e preparar…porque são muito irritantes para a pele devido a um ácido presente na folha.
Quando cozinhadas ou secas deixam de ter esta propriedade e pode-se consumir com segurança, no vapor, salteadas ou cozinhadas. Faz-se um chá fabuloso com as folhas, adoçando com mel e limão.

cháurtiga
As urtigas estão pejadas de nutrientes – vitamina C e A, cálcio, magnésio, potássio e são ainda uma fantástica fonte proteica. A sério! E agora estão mesmo tenrinhas!

Chi Kung Terapêutico e as emoções

emoçõesNa Medicina Tradicional Chinesa não há separação das dimensões físicas, psicológicas e emocionais do corpo. Qualquer desequilíbrio é tratado contemplando o corpo como um todo. Na prática de Chi Kung, como disciplina da MTC, há evidentemente aspectos da bio-mecânica do corpo que são importantes para desenvolver e aplicar nos exercícios. Uma compreensão funcional do corpo pode ajudar a uma integração mais completa da prática e dos seus efeitos. No entanto, é fulcral ter presente, que como prática essencialmente holística, são todas as dimensões do corpo que estão envolvidas na prática. Assim, as capacidades de escutar o corpo, dar tempo ao corpo para responder, dar atenção às subtilezas e mudanças de estado de corpo, são aspectos fundamentais a desenvolver nesta prática. Manter a noção de que as dimensões psicológicas e emocionais estão sempre presentes, que podem ser extraordinariamente reveladoras na prática, e podem ser essas dimensões que determinam escolhas de exercícios, tempos de permanência ou sequências na prática.

O Elemento Água

water.jpg

O poder do Inverno é um poder de ênfase – ênfase na essência da vida. Sem a ornamentação exterior das folhas, flores e frutos das estações de crescimento, uma planta fica na sua pura essência: a semente com o seu potencial no mais profundo de si, ou a árvore despedida até ao tronco, ramos e raízes.

Para nós, o Inverno é um tempo de reflexão, onde podemos repousar naquele lugar em que somos essência sem adornos.
A água, elemento que corresponde ao Inverno, aponta-nos para esse lago escuro e quieto dentro de nós. Podemos usar a energia desta estação para o descobrir e explorar.

Standing still – nunc stans

 

 

 

pastandfutureHá uma parábola de Kafka que pertence a um conjunto de textos  com reflexões em torno de temáticas da metafísica.

Na história há um homem que tem dois antagonistas, o primeiro que o empurra por detrás, e um segundo que lhe bloqueia a estrada em frente. Ele dá luta aos dois. Na realidade o primeiro apoia -o na sua luta com o segundo, porque o quer empurrar em frente; da mesma forma que o segundo o apoia na luta com o primeiro, que o empurra para trás. Mas isto é o em teoria. Porque não são só os dois antagonistas que ali estão, ele também está, e quem saberá das suas intenções?

Temos então a presença deste homem, com uma “origem”, o seu nascimento, e com um fim, a sua morte, e por isso em qualquer momento está entre eles, esse  estar “entre” chama-se o presente.

E seduzida pelos vários  fios e correntes de ideias associadas a  esta parábola descubro a referência a uma prática de meditação medieval – nunca stans – eternity as a standing still of time.

Reflexões sobre Zhan Zhuang Chi Kung

 

Enraízar

OLYMPUS DIGITAL CAMERAOs pés são a nossa sustentação e ligação à terra. No mundo dos insectos, os pés equivalem às suas línguas…!
Os pés conectam e expressam a nossa ligação ao que nos rodeia. Recebem e distribuem o peso do nosso corpo, dando estabilidade e mobilidade à nossa base, absorvem o choque e impacto da nossa deslocação, proporcionam articulação e refinamento ao nosso movimento e gesto.
Os pés informam-nos constantemente sobre a nossa estabilidade. Quer estejamos num barco ou em terra firme, em areia ou rocha, em equilíbrio ou desequilíbrio, eles adaptam-se, ajustam-se, correspondem à necessidade.                                                              Os pés são as nossas raízes…Por pés mais livres e fortes!